leitura de Meschonnic

Escrever como descobrindo a máquina do mundo, o segredo do oceano, a obscuridade dos corpo. É o poema: contido no sonho de cada instante, de cada leitura, os versos do lobo distante e solitário de inatingíveis paisagens nórdicas e bárbaras (poema de Borges que queria ter escrito), existindo entre meus dedos, transbordando das vísceras e orifícios no que chamamos mundo; mas isto é só um relato.

No limite é um encontro com a vida (enquanto estou no poema, estando no mundo). E distanciar-se dele, não tê-lo mais presente, esquecê-lo, é o estado de perdição, jornalismo, manual, academia, etc. E isso não quer dizer que a única forma de vida potencializada é “lendo” “poesia”; o poema escapa aos livros, está além das delimitações gráficas e seus símbolos, não apenas em livros, mas em algum lugar transbordando vozes soltas e ramificando-se, em contínua revolução. Um romance, em ensaio, um canto, fragmento, cão solto pelas ruas, uma fotografia que se lhe irrompe nas entranhas do organismo — “uma pausa, uma rosa, alguma coisa no papel” (Lyn Hejinian); “o mar, sempre recomeçando” (Valery).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s